EM NOITE DE FESTA NO MUSEU DO ÍNDIO, IMPERATRIZ LEOPOLDINENSE LANÇA ENREDO PARA O CARNAVAL 2017


Salve, salve!imperatriz

Em evento realizado na noite desta quarta-feira, dia 08 de junho, no Museu do Índio, em Botafogo, a Imperatriz Leopoldinense lançou oficialmente o seu enredo para o carnaval 2017.

A festa teve início por volta das 19h. A mesa foi composta pelo presidente da escola, Luiz Pacheco Drummond, a rainha de bateria, Cris Vianna, o presidente da LIESA, Jorge Castanheira, o Diretor do Museu do Índio, José Carlos Levinho, a Diretora Adjunta do Museu, Arilza de Almeida, e do professor da UFRJ, Carlos Fausto, além do próprio carnavalesco da escola, Cahê Rodrigues. A apresentação do evento ficou por conta do diretor de carnaval da Verde e Branco, Wagner Araújo.

O carnavalesco Cahê Rodrigues falou um pouco de como surgiu a ideia de levar para a Sapucaí o enredo “Xingu – O clamor que vem da Floresta”:

“É muito importante o pontapé inicial do nosso trabalho acontecer em um lugar onde se abriga a cultura indígena. Eu sou um apaixonado pela arte indígena. Esse amor nasceu começou no Festival de Parintins, onde vou há mais de dez anos, e o desejo de falar do Xingu amadureceu de fato há três anos, em conversas com pesquisadores e antropólogos. Atualmente o Brasil e o mundo vivem um grande desordem, com essa falta de respeito, falta de amor, falta de cuidado com o outro. E quando a gente pensa na cultura indígena, vê um povo preocupado com a natureza e preocupado com a sua própria comunidade. A gente quer valorizar o legado deixado pelos irmãos Villas-Bôas e dar voz aos índios do Xingu. Eu acredito muito na força e na mensagem que o enredo tem. Acredito também na beleza e na riqueza da cultura que a Imperatriz vai poder desenvolver e levar para a avenida.” – comentou o carnavalesco.

Veja: FOTOS – Lançamento do Enredo 2017 da Imperatriz Leopoldinense

O Museu do Índio será uma espécie de parceiro cultural da Imperatriz em 2017, cooperando em todo o trabalho de pesquisa e desenvolvimento do enredo da escola.  José Carlos Levinho, Diretor do Museu do Índio, celebrou a parceria com a Verde e Branco de Ramos:

“O Museu é quem agradece a escolha da Imperatriz e a gente quer parabenizar a escola pela escolha do tema. Quero deixar claro que todo o apoio técnico, científico, que a Imperatriz precisar, estará a disposição. O Museu é um espaço público, dedicado a sociedade. A escolha desse tema é da maior importância, não só para o Museu, como para os índios. Falar do Xingu é mostrar a sociedade brasileira como quinze povos, com culturas diferentes, línguas diferentes, conseguem viver em paz, servindo de exemplo para todos nós.” – disse Levinho.

Veja: VÍDEO – Cahê Rorigues apresenta Enredo 2017 da Imperatriz Leopoldinense

Fechando o evento, a Imperatriz Leopoldinense fez uma grande festa no museu do Índio, com a primeira apresentação oficial do casal de mestre-sala e porta-bandeira da escola, Thiaguinho Mendonça e Rafaela Theodoro, além de baianas e intérpretes, ao som da bateria Swing da Leopoldina do Mestre Lolo.

A sinopse do enredo da Imperatriz será entregue aos compositores na quadra da escola na próxima segunda-feira, dia 13 de junho.

 

 

Curta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s