MARQUÊS NOS BARRACÕES: ACADÊMICOS DA ROCINHA LEVA PARA A SAPUCAÍ UMA HOMENAGEM AO CARNAVALESCO VIRIATO FERREIRA


Salve, salve!rocinha

O MARQUÊS DA FOLIA visitou o barracão do Acadêmicos da Rocinha, localizado na Via Binário, e bateu um papo com o carnavalesco da escola, João Vitor Araujo, que faz a sua estreia na agremiação da Zona Sul do Rio de Janeiro neste ano contando na avenida um enredo sobre um personagem muito importante no Carnaval carioca neste os anos de 1970 e 1980, porém pouco lembrado pelo grande público.

“É um barato quando você se propõe a fazer um trabalho biográfico de uma pessoa que o grande público não conhece. O Viriato Ferreira é muito conhecido pelos pesquisadores de Carnaval, intelectuais do meio e os sambistas mais assíduos. Mas tem uma garotada que curte Carnaval e não conhece o Viriato. Então é interessante trazer à tona, quase trinta anos depois da morte dele, a importância da história do Viriato no universo das escolas de samba.” – disse João.

A inspiração para contar a história de Viriato Ferreira na Sapucaí surgiu de uma lembrança que o artista guarda na memória, do desfile da Imperatriz Leopoldinense em 1991.

“Eu era muito pequeno e me lembro de um desfile da Imperatriz, no início da década de 1990, onde tinha uma mulher tomando banho num carro alegórico. É uma cena que ficou marcada na minha memória. Depois que eu fui crescendo envolvido com o Carnaval, ouvi falar de Viriato, assisti aos seus desfiles e eu reparei que os quatro carnavais dele onde ele assina, são quatro enredos inesquecíveis que renderam sambas antológicos: Portela 79, 80 e 81 e Imperatriz 91. Quando eu fui convidado pra Rocinha, mostrei pro presidente esse enredo e ele viu que Viriato merecia essa homenagem. A Rocinha precisava disso, variar um pouco, trazer um enredo mais sério. Ser a primeira de sábado não é fácil, mas apostamos muito nesse enredo pra conquistar o público.” – falou o carnavalesco

Confira outros barracões visitados pelo MARQUÊS!

Para bem contar a história de Viriato Ferreira na avenida, João dividiu o desfile em quatro setores, destacando os principais pontos da carreira do artista.

“Começo com o início da carreira dele no Teatro de Revista no primeiro setor. Daí a gente vai passear pelos principais trabalhos do Viriato no Carnaval carioca, lembrando os carnavais da Portela no segundo setor. Na terceira parte do desfile aparece a parceria dele com Joãosinho Trinta, de quem Viriato foi figurinista na Beija-Flor. Fechando com o último trabalho dele, na Imperatriz, lembrando o enredo “O que é que a banana tem?”, sendo também uma homenagem para a Rosa Magalhães, que foi levada para a escola pelo Viriato, no início da década de 1990.” – contou João Vitor.

rocinha-2

A Rocinha é mais uma escola a enfrentar a crise com bastante criatividade na Série A, o que não quer dizer que não apresentará um desfile com luxo e bom gosto na Sapucaí. É o que conta João Vitor:

“Eu aprendi muito no Carnaval a transformar o “barato” no “luxo”. Tô trabalhando com tecidos simples, mas apostando no jogo de cores e nas estamparias. Com aviamentos simples, mas de efeito. Com uma volumetria simples, mas de efeito. E assim fomos construindo o Carnaval da Rocinha. Gastamos, mas dentro da nossa realidade. Na parte de alegoria, reciclamos algumas coisas, demos uma nova característica à cada peça. Estamos apostando muito nos efeitos nos carros, como movimento e telão de LED também.” – contou o artista.

João Vitor assinou o Carnaval campeão da Viradouro em 2014, na Série A, quando a escola prestou uma homenagem à cidade de Niterói, onde ela está situada. Depois disso ele desenvolveu o Carnaval da Vermelho e Branco no Grupo Especial, em 2015, e no ano passado foi auxiliar de Paulo Barros na Portela, com quem aprendeu bastante em um ano.

“O Paulo Barros é um grande artista do Carnaval. Foi um ano de muito aprendizado, que me fez muito bem e me ajudu demais na minha carreira. Com ele aprendi a ter o pé no chão, aprendi sobre a parte técnica de confecção de Carnaval, como carpintaria, iluminação, etc. Mas o principal que eu aprendi foi a não se lamentar, se impor sempre. A escola precisa da gente e a gente precisa da escola. Não pode haver desrespeito nessa relação, o combinado deve ser cumprido sempre.” – falou João Vitor.

O Acadêmicos da Rocinha será a primeira escola a desfilar na Sapucaí no sábado de Carnaval, abrindo a segunda noite de desfiles da Série A. A escola levará para a avenida o enredo “No Saçarico da Marquês, Tem Mais Um Freguês: Viriato Ferreira”.

Curta

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s