VIRADOURO E ESTÁCIO DE SÁ SE DESTACAM NA PRIMEIRA NOITE DE DESFILES DA SÉRIE A NA SAPUCAÍ


Salve, salve!

Nesta sexta-feira, dia 24 de fevereiro, aconteceu na Sapucaí a primeira noite de desfiles das escolas de samba da Série A do carnaval do Rio de Janeiro. Confira como foram as apresentações:

Acadêmicos do Sossego

sossego

Com justa homenagem a Zezé Motta, a Acadêmicos do Sossego abriu o Carnaval carioca e fez um digno desfile na busca pela permanência na série A.

A Comissão de Frente, que representava a orixá Oxum, apresentava belas fantasias e excelente trabalho de maquiagem, mas a coreografia não impactou. Seguidos pelo primeiro casal Naninha e Weslley Cherry, com uma roupa que chamava atenção pela beleza, apesar da saia da porta-bandeira que era um pouco mais curta que o convencional e aparentava ser pesada.

A escola apresentou fantasias simples, com a utilização de muitos materiais alternativos. As alegorias não eram tão grandiosas, mas tinham bom acabamento.

O samba-enredo, além de bem cantado pelo intérprete Leandro Santos, estava na boca dos componentes, apesar de não ter sido um canto imponente. Comandada por Mestre Átila, a bateria Swing da Batalha foi o ponto alto da passagem da escola na Sapucaí.

A grande homenageada Zezé Motta veio na última alegoria e demonstrou muita emoção ao ser aplaudida pelas arquibancadas ao final do desfile da Sossego.

Alegria da Zona Sul

alegria

Cantando a Madrinha do Samba, Beth Carvalho, a Alegria da Zona Sul foi a segunda escola a se apresentar na noite desta sexta.

A escola demorou para entrar na avenida. O cronômetro marcava 7 minutos quando a escola cruzou a faixa que marca o Início de sua apresentação.

Com um enredo de fácil entendimento, a escola teve como ponto positivo a Comissão de Frente, que mostrava a fase bailarina da cantora, ainda menina, dançando com um mar de notas musicais. Outro ponto de destaque foi a sintonia do primeiro casal Wanderson Orelha e Bárbara Falcão. A dupla bailou com segurança e carisma. Vale ainda ressaltar a bela roupa do casal.

Os carros alegóricos eram grandes, mas com falhas de acabamento. Fantasias sem muita inovação e com problemas de execução.

Os maiores problemas da escola foram evolução e harmonia. O canto deixou muito a desejar devido a grande quantidade de turistas nas alas. A Vermelho e Branco não teve uma passagem coesa. A última alegoria teve problemas para entrar na Passarela do Samba, fazendo com que a ala de compositores passasse à frente do carro que trazia Beth Carvalho.

Unidos do Viradouro

viradouro

No desfile que celebra os seus 70 anos de fundação, a Vermelho e Branco de Niterói fez a Sapucaí mergulhar no universo infantil e está na briga pela volta ao Grupo Especial.

Na Comissão de Frente, integrantes se transformavam em diversos tipos de carros como se fossem “Tranformers”. O desfile marcou a estreia na Sapucaí do coreógrafo Anderson Rodrigues, que tem uma bela carreira no Carnaval de São Paulo.

Em seguida, o primeiro casal Alessandra Chagas e Diego Machado mostrou um bailado leve, seguindo o que pedia o enredo da escola. A roupa do casal era revestida de bichinhos de pelúcia, uma das mais criativas da noite.

Bom gosto nas fantasias e alegorias grandiosas, com destaque para o segundo carro que representava um monumental “Batmóvel”. Com excelência de acabamento, o conjunto alegórico foi um dos melhores da noite.

Com canto forte, os componentes se demostraram dispostos a ajudar a escola a retomar a elite da folia carioca. Com uma evolução correta , a Unidos do Viradouro passou tecnicamente perfeita na avenida.

Império da Tijuca

imperio-da-tijuca

A escola do Morro da Fomiga cometeu alguns erros em evolução que podem custar caro na briga pelo título da Série A.

Liderada por Raphaela Machado, a Comissão de Frente tinha como destaque uma troca de figurino ao longo da pista. Integrantes retiravam capas amarelas e dançavam quadrilha no final de cada apresentação.

A Verde e Branco levou para a Passarela do Samba um bom conjunto de alegorias, com bom acabamento. Fantasias luxuosas deram um ótimo efeito visual no conjunto da escola.

A evolução foi o grande pecado da escola.  Além de formação de buracos ao longo do desfile, muitos deles devido a apresentação do primeiro casal, que diferentemente das outras escolas, veio à frente da bateria, a Império da Tijuca ultrapassou o tempo limite em 1 minuto, e perderá 0,1 décimo de ponto.

A escola também não passou bem em Harmonia. O samba não teve um bom rendimento na avenida, poucos eram os integrantes que cantavam.

União do Parque Curicica

curicica

Terceira escola da noite, a União do Parque Curicica deixou deixou desejar e deverá brigar contra o rebaixamento.

A comissão relembrava brincadeiras de infância, com integrantes interagindo com um baú. Com figurinos simples, não houve um momento de “explosão” na coreografia.

O primeiro casal da escola, Macinho e Shayene, representou o jogo Genius, sucesso nos anos 80. A dupla fez uma boa apresentação na avenida.

A estética da agremiação deixou a desejar, tanto em fantasias, quanto em alegorias. Alguns carros tinham madeira aparente e muito tecido tapando graves falhas. Esculturas sem acabamento algum também foram apresentadas pela escola.

Com um evolução confusa e um canto totalmente irregular, o destaque fica pelo desempenho da ala musical da escola, liderada pelo intérprete Ronaldo Yllê, que resultou num bom rendimento do samba na Sapucaí. A bateria do mestre Léo Capoeira também fez um belo trabalho. Vestidos de Timbalada, os ritmistas deram um verdadeiro show na Sapucaí.

 

Estácio de Sá

estacio-de-sa

Com desfile a nível de Grupo Especial, a Estácio de Sá pisou forte na Sapucaí e se colocou como mais uma candidata ao título da Série A.

Já na Comissão de Frente, do coreógrafo Márcio Moura, um grande espetáculo! Auxiliados por um tripé, os integrantes interagiam com um grande boneco que tinha um coração de LED. Com uma coreografia dinâmica, o grupo levantou as arquibancadas. Outros elementos em LED , como pipa, pião e um grande violão foram incorporados à coreografia.

Trajados de Pierrot e Colombina, o primeiro casal José Roberto e Alcione, fez boa passagem, mas algumas falhas de execução na dança podem custar alguns décimos para a dupla.

Alegorias monumentais e com excelência no acabamento fizeram o desfile da escola do Morro de São Carlos ganhar uma grande proporção. Fantasias luxuosas e ricas em detalhes foram apresentadas, sendo o melhor conjunto da noite.

Destaque absoluto para o canto e animação da comunidade. Ponto para o intérprete Thiago Brito, que estreou pela agremiação. Com os componentes empolgados início do fim do desfile, a evolução foi coesa, mas a escola apresentou pequenas falhas, tendo que correr um pouco no final. Nada que tire o brilho do desfile da Estácio.

Acadêmicos de Santa Cruz

santa-cruz

Fechando a primeira noite e desfiles da Série A, a Verde e Branco da Zona Oeste fez uma passagem sem empolgar na Sapucaí.

Cantando a literatura infantil, um enredo de fácil identificação e comunicação com o público, a escola teve problemas com evolução e deverá perder décimos precisosos. A agremiação acelerou desnecessariamente o passo ao longo do desfile, o que a obrigou a “ennrolar” a parte final para cumprir o tempo mínimo de apresentação.

A Comissão de Frente de Marcelo Chocolate foi uma grata surpresa. Integrantes saíam de grandes cartolas durante a apresentação. Destaque para a transformação da componente vestida de bruxa na personagem Emília do Sítio do Pica-Pau Amarelo.

O casal Mosquito e Roberta Freitas não realizou uma boa passagem. A dupla, apesar do esforço contra o vento, realizou apenas passagens burocráticas pelos módulos julgadores, sem impressionar.

O canto não foi dos melhores, mas não decepcionou. Os componentes estavam animados e deram conta do hino da escola, interpretado por Pavarotti e Gabby Moura.

No quesito alegorias, a escola também não faz feio. Um bonito e interessante conjunto foi visto na Sapucaí. Simples, mas com um bom colorido e bom acabamento.

As fantasias eram de bom gosto e nenhum figurino passou desapercebido. A fácil leitura das roupas foi um outro ponto positivo do desfile da Verde e Branco que deve melhorar o 12º lugar do último Carnaval.

por Jorge Azevedo
Colaboraram Thais Petry, Jessica Pagani, Pedro de Oliveira e Felipe Araujo

Curta

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s