BEIJA-FLOR DE NILÓPOLIS

Beija-flor_logo

  • Fundação: 25 de Dezembro de 1948
  • Cores: Azul e Branco
  • Símbolo: Beija-Flor
  • Quadra: Rua Pracinha Wallace Paes Leme, 1025 – Nilópolis – RJ
  • Telefone: (21) 2691-1571 / (21) 2791-2866
  • Internet: www.beija-flor.com.br
  • Presidente: Farid Abrahão David
  • Presidente de Honra: Anísio Abraão David
  • Diretor de Carnaval: Laíla
  • Comissão de Carnaval: André Cezari, Fran-Sérgio, Ubiratan Silva, Laila, Vítor Santos e Bianca Behrends e Claudio Russo
  • Diretor de Harmonia: Laíla
  • Intérprete: Neguinho da Beija-Flor
  • Diretores de Bateria: Mestre Plínio e Mestre Rodnei
  • Rainha de Bateria: Raíssa de Oliveira
  • Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Claudinho e Selmynha Sorriso
  • Coreógrafo da Comissão de Frente: Marcelo Misailidis
  • Horário do Desfile 2017: 5ª escola a desfilar no domingo de carnaval, dia 26 de fevereiro de 2017
  • Enredo 2017: “A Virgem dos lábios de mel – Iracema”

 

SINOPSE 2017

beija flor

“A Virgem dos Lábios de Mel – Iracema”

INTRODUÇÃO

O projeto carnavalesco inspirado na obra que descreve o encontro entre o português Martin Soares Moreno, e a Virgem dos Lábios de Mel, a índia da tribo Tabajara, de nome Iracema, tem o Ceará como palco principal, e como cenário, a natureza exuberante deste lugar paradisíaco, de verdes matas, onde cantam jandaias nas frontes de carnaúba.

Índia morena, serena, bela como uma flor, és tu, Ó formosa Iracema!

Sua pureza provoca encantamento e seduz ao mesmo tempo.

E foi essa magia, soprada pelo vento, que deixou Martin Soares Moreno sem alento…

Ela, de pele morena. Ele, Moreno no nome…

E esse encontro amoroso entre duas civilizações distintas, é bem mais salutar que um romance literário e nacionalista, onde suscintamente, Iracema representa a cultura brasileira, e Martin Soares, o branco europeu.

Narrativa repleta de detalhes, pontua magistralmente a história do Ceará, o nascimento de um fruto miscigenado, possivelmente o primeiro mameluco nato, e entrelaça, de modo singular, a história do nosso imenso Brasil plural e a Lenda do Ceará.

Comissão de Carnaval e Departamento de Carnaval: Laíla, Fran Sérgio, Victor Santos, André Cezari, Bianca Behrends, Cristiano Bara, Rodrigo Pacheco, Wladimir Morellembaum, Brendo,  Gabriel Mello e Adriane Lins.

JUSTIFICATIVA

Somos todos indígenas!!!

Nós somos, terminantemente, um país indígena, e ainda assim, a história dos índios no Brasil – os legítimos donos da terra – quase não tem registros; o nosso legado é, bem dizer, preservado quase que integralmente através da história oral.

Iracema (que em Tupi significa “Lábios de Mel”), é a Lenda do Ceará; tornou-se símbolo do Estado. Em uma mesma história, uma narrativa visceral, que agrega romance, paixão, documentário, suspense, ficção, guerra, alucinação, abstração. O romance nacionalista indianista – que é um clássico da literatura brasileira – é a fonte de inspiração para o nosso projeto carnavalesco, intitulado “A Virgem dos Lábios de Mel – Iracema”.

Trata-se de uma história de amor. Uma linda história de amor!!! E também, uma história do Brasil. Do nosso Brasil brasileiro; o surgimento do primeiro mameluco, caboclo brejeiro, contado, magistralmente por José de Alencar. A obra traduz a memória afetiva do autor, e a saudade latente de sua terra natal e suas origens, daí ser tudo muito vivo, muito colorido, primorosamente detalhado.

A história de amor de uma vestal indígena, dotada de pureza, limpidez e castidade, fonte de mel consagrada à Tupã, que se apaixona incondicionalmente por um guerreiro estrangeiro. Um relato sobre o encontro de duas raças, e o fruto dessa paixão, que resulta no nascimento do primeiro brasileiro mestiço, um legítimo filho do Ceará.

Aceitamos o desafio de, com originalidade, transmutar letras em fantasias, poesia em alegorias, livro em carnaval. Transformar uma história, em espetáculo nacional, uma autêntica ópera popular indianista à céu aberto. Esse é o compromisso assumido ao conceber e desenvolver “A Virgem dos Lábios de Mel – Iracema”.

E parafraseando Friedrich Nietzsche, que afirmava que “a arte existe para que a realidade não nos destrua”, é com muita felicidade que abraçamos Iracema. Uma obra que é um marco na descoberta de nossa identidade nacional. É uma narrativa que solidifica o mito da fundação da identidade brasileira. E, por isso mesmo, merece ser, sempre que possível, revisto, revisitado, repaginado, divulgado, sentido, absorvido.

Iracema é, e sempre será, a Lenda do Ceará!

Comissão de Carnaval e Departamento de Carnaval: Laíla, Fran Sérgio, Victor Santos, André Cezari, Bianca Behrends, Cristiano Bara, Rodrigo Pacheco, Wladimir Morellembaum, Brendo,  Gabriel Mello e Adriane Lins.

SINOPSE

Poema em prosa.

Romance, poesia, heroísmo, lirismo, história.

Vestal consagrada à luz de Tupã – o Deus Criador, Iracema, a Virgem dos Lábios de Mel, inocente criatura, cujo o sorriso era mais doce que o favo da jati, nasceu no paraíso intocado, berço da terra selvagem.

Filha da floresta, mais rápida que a ema silvestre, cujos cabelos eram mais negros que as asas da graúna, e mais longos que seu talhe de palmeira, a sacerdotisa é símbolo da mais cândida pureza.

Em meio ao verde das matas, à natureza exuberante, sob a luz das estrelas, no meio do caminho, o esplendor do encontro da natureza com a civilização – Iracema e Martim, a flor e o espinho.

Iracema… Menina mulher, sinuosa e faceira; é ela quem atira a flecha certeira. Em seu semblante resplandece a face de uma típica nativa da América*.

Bela tal qual uma pintura, ainda casta e pura, revela quase ingênua sensualidade desnuda, desenhada nas curvas perfeitas de seus seios e quadris.

A joia do Senhor das Aldeias, guardiã do segredo da Jurema, se resguarda, se preserva, se mantém intacta, até encontrar o mais sublime amor. Então, apaixonada, enfim, se entrega. Entoam acordes dissonantes, explode a paixão pulsante. Mas registre-se: não se trata só do prazer da carne, é um momento mágico, ansiado, aguardado, desejado. Uma questão de se perder para se encontrar…

Então, o fogo do entusiasmo acende um interesse vivo, a vontade de realizar, o ardor do querer, satisfazer de prazer. Duas raças se unem. Ele, o lenço; ela, o vento. Sedução, ternura, encanto. O despertar de ardentes desejos viris… O sangue correndo nas veias revela fertilidade. De dois, faz-se um só ser.

Tabajaras, Pitiguaras, europeus. Lanças, lástima, conflito e batalha. Pele branca e pele vermelha; terra branca, sangue vermelho… Uma mistura de tons e sons, do mel e do fel.

Essa ópera indianista de rara beleza, que se desenrola num cenário multicor, revela a semente fecunda, o milagre da vida, o nascimento de Moacir, o primeiro brasileiro mestiço.

Iracema não resiste… Mas nada de tristeza, Iracema persiste!!! Existe em cada pedacinho de terra, e nas veias de cada filho desse chão. É a história viva, signo de um povo! O Ceará sempre será Iracema!!!

E nós, somos uma legião de guerreiros da tribo Beija-Flor!!! Temos uma fé inabalável, e cremos na força de Tupã!!! Respeitamos a magia do som do trovão, o rufar dos tambores, e a marcação dos passos no chão, em perfeita sincronia, legado deixado pelos nossos ancestrais, valentes e legítimos donos da terra. Tal qual um exército defendendo o pavilhão azul e branco, iremos saudar Iracema, a Virgem dos Lábios de Mel, a Lenda do Ceará!!!

(*) Iracema é um anagrama de América.

Comissão de Carnaval e Departamento de Carnaval: Laíla, Fran Sérgio, Victor Santos, André Cezari, Bianca Behrends, Cristiano Bara, Rodrigo Pacheco, Wladimir Morellembaum, Brendo,  Gabriel Mello e Adriane Lins.

SAMBA-ENREDO 2017

Compositores: Claudemir, Maurição, Ronaldo Barcellos, Bruno Ribas, Fábio Alemão, Wilson Tatá, Alan Vinicius e Betinho Santos

ARAQUEM BATEU NO CHÃO
A ALDEIA TODA ESTREMECEU
O ÓDIO DE IRAPUÃ
QUANDO A VIRGEM DE TUPÃ SE ENCANTOU COM O EUROPEU
NESSA CASA DE CABLOCO HOJE É DIA DE AJUCÁ
DUAS TRIBOS EM CONFLITO
DE UM ROMANCE TÃO BONITO COMEÇOU MEU CEARÁ

PEGA NO AMERÊ, ARETÉ, ANAMA
PEGA NO AMERÊ, ARETÉ, ANAMA

BEM NO CORAÇÃO DESSA NOSSA TERRA
A MENINA MOÇA E O HOMEM DE GUERRA
ELE SENTE A FLECHA, ELA ACERTA O ALVO
ÍNDIA NA FLORESTA, BRANCO APAIXONADO
VEM PRA MINHA ALDEIA, BEIJA-FLOR
TABAJARA, PITIGUARA BATE FORTE O TAMBOR
UM CHAMADO DE GUERRA, MINHA TRIBO CHEGOU
RECLAMANDO A PUREZA DA PELE VERMELHA
NO VENTRE BATE O CORAÇÃO DE MOACIR
O MILAGRE DA VIDA, ME FAZ UM MAMELUCO NA SAPUCAÍ
OH LINDA IRACEMA MORREU DE SAUDADE
MULHER BRASILEIRA DE TANTA CORAGEM
UM RAIO DE SOL A LUZ DO MEU DIA
ILUMINADA NESSA MINHA FANTASIA

A JANDÁIA CANTOU NO ALTO DA PALMEIRA
NO NOME DE IRACEMA
LÁBIO DE MEL, RISO MAIS DOCE QUE O JATI
LINDA DEMAIS CUNHÃ-PORÃ ITEREI
VOU CANTAR JUREME, JUREME, JUREME
VOU CANTAR JUREMA, JUREMA
UMA HISTÓRIA DE AMOR, MEU AMOR
É O CARNAVAL DA BEIJA-FLOR 

 

curta marques

Anúncios

One comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s